terça-feira, 15 de junho de 2010

São Paulo Fashion Week: Dia 04


O quarto dia do São Paulo Fashion Week nos reservou grandes surpresas e opções de roupas com muita identidade própria.
Reinaldo Lourenço, Lino Villaventura e a Animale (com Raquel Zimmermann na passarela), foram os responsáveis por confirmar que a moda brasileira já tem o seu lugar de destaque no mundo e não deixa a desejar para ninguém.
Com as modelos Eva Herzigova e Shirley Mallmann no casting, a estreante Adriana Degreas desfilou seu beachwear couture inspirada nas festas à beira da piscina, propagadas pelas divas do cinema, nas décadas de 30 e 40.
Jefferson Kulling trouxe uma coleção inovadora, com tecidos tecnológicos e cortes impecáveis, enquanto Ana Salazar, outra estreante, trabalhou com mix de materiais e recortes nas modelagens.


Reinaldo Lourenço
Reinaldo Lourenço se inspirou no design dos carros de corrida dos anos 1960 para criar sua coleção. O estilista misturou as linhas aerodinâmicas daqueles incríveis brinquedos de adulto com a sofisticada moda de hoje. Vestidos leves de seda com grades de radiadores fazendo pala nos ombros, linhas curvas de chassis em aventais e desenhos de recortes. As calças (curtas), as saias e os macacões têm design limpo. Tudo feminino, com direito a laçinhos na cintura e sutis transparências.



Jefferson Kulig
Jefferson Kulig manteve a fidelidade aos materiais alternativos e elaborou uma coleção inovadora com cortes impecáveis. Todas as peças são a junção de partes, de cores, de texturas. Tem até bandeira do Brasil estampada no conjuntinho de saia e casaco. Ou plumas no decote tomara-que-caia. Ou um enorme olho de pássaro colorindo camisetas e t-shirt dresses. Kulig não resiste a escarafunchar estruturas e reunir improváveis combinações que conjugam tecidos com nomes estranhos como TK-espaço e TK-relevo.



Animale
Raquel Zimmermann puxa a fila da Animale que apresenta uma coleção de formas não definidas costuradas a partir de vários tipos de tecido para criar uma silhueta modular. Os vestidos curtos são os protagonistas, trabalhados com um mix de materiais esportivos e rústicos. Vazados e decotes nadador também são recursos muito utilizados, assim como as listras, resgatadas do esporte. Ponto extra para as sandálias, bem geométricas.



Ana Salazar
A estilista portuguesa Ana Salazar gosta de trabalhar com mix de materiais e recortes nas modelagens. O trabalho dela com desestruturas e peças com recortes e zíperes é muito bem-feito. Rende vestidinhos pretos desmontáveis, jaquetas perfecto e trench coats com as costas à mostra e paletós reabertos com alças desencontradas. Looks mais conceituais, como os meio-vestidos desabados, com estampas digitais, presos ao corpo só pela cintura ou o top recortado de renda mais saia curta drapeada em náilon, também aparecem na coleção.



Adriana Dregeas
Foi uma estreia poderosa de Adriana Dregeas no SPFW, com direito às übertops - lindíssimas, por sinal - Eva Herzigova e Shirley Mallmann na passarela. A estilista preferiu apostar, em seu primeiro desfile, no que fez a fama de seu beachwear: sofisticação. Logo no início, uma série de hotpants e sutiãs-cone remetiam ao erotismo chic de Helmut Newton, uma das inspirações da estilista. Maiôs comportados, com golas fechadas - e, por vezes, com exageradas rosas de tafetá - são a maior aposta da marca. Para ficar mais chic ainda, os biquínis trazem características de lingerie de época. Entre as opções para o pós-praia: macacão, robe-de-chambre, tubinho bandage e camisa tranparente de organza. Ótimas ideias para um fim de tarde à beira da piscina.



Lino Villventura
As apresentações de Lino Villaventura não costumam seguir tendências. São mais espetáculos do que desfiles, o que faz com que seus convidados e entusiastas sempre o ovacionem no final. Desta vez, uma modelo vestida com um look listrado de preto e branco, em uma sala coberta com tecido idêntico, entrou na passarela sob luz fluorescente, para a festa dos fotógrafos de plantão. Lino define sua coleção como um quebra-cabeça, o que ela realmente é: imperam os vestidos feitos com recortes de tecidos multicoloridos, em um difícil trabalho de patchwork. No início, eles são fluidos e bem soltos, para depois ficarem rígidos, tornando-se verdadeiras armaduras, com cintura marcada e ombros e quadris volumosos. Destaque para os bonitos sutiãs floridos, usados por baixo de tops e macacões.


Fútil? Never. Dondoca? Ever!
Beijinhos,
Fabíola Mota

2 comentários on "São Paulo Fashion Week: Dia 04"

Cammy Redling on 15 de junho de 2010 11:02 disse...

Oiii Fa!
Obrigada pela visita na 6Feira!!
Fico feliz que gostou do post da NYPL!!

Gostei muito da colecao do Jefferson Kulig e Animale tbm esta legal!!

Um bjao Ca

Radar Jefferson Kulig on 17 de junho de 2010 11:29 disse...

Muito legal o post...
O Jefferson fez um post sobre a cobertura dos blogs na SPFW, não sei se você leu: www.jeffersonkulig.com.br/blog

Abraços
Carlos Castilho - Radar Jefferson Kulig

Postar um comentário

Comentem dondocas!

 

Dondocas de Plantão | Fabíola Mota Copyright 2008 Fashionholic Designed by Ipiet Templates Supported by Tadpole's Notez